terça-feira, 5 de julho de 2011

Divisão das Gimnosperma

 Gimnospermas

As gimnospérmicas ou gimnospermas (do grego gimnos = nu / sperma = semente) são plantas vasculares com frutos não carnosos (frutos sem polpa) e cujas sementes não se encerram num fruto. Diferenciando-se assim das angiospérmicas, que têm suas sementes envoltas por um fruto, gerado por um ovário.
As Gminospermas já foram tidas como um grupo natural, no entanto algumas descobertas fósseis sugerem que elas são associações fúngicas secundárias, de modo que elas não representam somente um indivíduo. De fato, tem-se, numa planta madura, duas gerações, uma fúngica e outra fitótica, fazendo das gimnospermas um grupo parafilético se todos os táxons extintos forem incluídos. A cladística apenas aceita táxons monofiléticos, atribuíveis a um ancestral comum e que incluam todos os descendentes desse ancestral comum. Dessa forma, enquanto o termo "gimnosperma" é ainda largamente utilizado para plantas não-angiospermas com sementes, as espécies de plantas que antes eram tratadas como gimnospermas são usualmente distribuídas em quatro grupos, aos quais são dados iguais rankings como divisões do reino Plantae. Esses grupos são:
Conipherophyta - os pinheiros, as araucárias (pinheiro-do-paraná), as sequoias, ciprestes e plantas semelhantes;
Cycadophyta - as Cycas, Encephalartos, etc.;
Gnetophyta - o Gnetum; e
Gingkophyta - Único representante vivo é o Ginko biloba, conhecido por seu uso fitoterápico.

Características

● Tem raiz, caule, folhas, estróbilos e sementes;
● Não apresentam frutos;
● Podem existir plantas que são femininas e masculinas ao mesmo tempo, chamadas de monóicas (Pinus sp.), e as que têm sexos separados, que são chamadas de dióicas (araucárias);
● Apresentam vasos condutores;
●Suas sementes são nuas.As gimnospermas marcam evolutivamente o aparecimento das sementes como consequência da heteroporia, que é a produção de dois tipos de esporos, um masculino e outro femenino.São plantas traqueófitas, pelo fato de possuírem vasos condutores do tipo xilema e floema.Outro aspecto típico das gimnospérmicas, principalmente das coníferas, é a produção de resina, que as protege do ataque de insetos e fungos. Todas as plantas gimnospérmicas são terrestres, e embora apresentem tamanhos variados são sempre árvores ou arbustos.
As coníferas são o grupo de gimnospérmicas mais numeroso e de maior distribuição actual. A gimnosperma mais antiga é o Ginkgo.


Reprodução sexuada em gimnospermas

Suas flores resistentes (estróbilos) são pilhas de folhas (esporófilos) em forma de escamas (pinhas), produtoras de esporos.
Os esmaltes, ou escamas masculinas, formam os micrósporos, que sofre inúmeras meioses até gerar o pólen. A folha fértil feminina denomina-se megasporófilo e forma o megásporo, que sofre inúmeras meioses até formar o óvulo, que contém duas oosferas.
Geralmente, o pólen é transportado pelo vento (anemofilia) e, em raros casos, por insectos (entomofilia).em outros casos sao tranportados por passaros.
Quando atinge as escamas dos estróbilos femininos, ocorre a fecundação, dando origem a uma semente (pinhão) com um embrião e umendosperma.
Na maioria das espécies, as estruturas masculinas e as femininas coexistem na mesma planta, mas em lugares diferentes. As masculinas ficam mais próximas ao solo, e as femininas mais acima, para evitar a auto-fecundação, possibilitando melhor variabilidade genética. Os gâmetas masculinos são flagelados permitindo uma maior mobilidade e uma menor dependência de água para a reprodução. O ciclo de vida das Gimnospérmicas é haplodiplonte. Contudo, a fase gametofíta atinge o máximo de redução, não se verificando a alternância típica de geração, pois não se formam indivíduos haplóides bem caracterizados como as plantas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário